Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Memórias 8

Terça-feira, 24.06.08




Depois fiz prosa

em colunas

paralelas


troquei

a cor verde

pela amarela

e proferi palavras

só palavras...


Fiquei à espera

que elas caíssem

e se partissem


as palavras caíram

ao mar

e não revelaram

o segredo que tinham


então eu chamei cruel ao mar


Como se ele pudesse

ser mais

alguma coisa

do que mar




Évora, 1965

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Carlos Alberto Correia às 23:36