Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



...

Sábado, 21.03.15

 

labios.jpg

 

 

 

tema da solidão IX

( in, Penélope e outras esperas)

 

 

por vezes escrevo

como quem luta

outras

como que disfruta

do modo

da conduta

 

o importante é agarrar

a frase o lento murmurar

por dentro da palavra

 

o importante é descobrir

o senso que oculta

 

porque conhecer é desconhecer inicialmente

o resto é a semente

com que se emprenha o futuro

 

às vezes a palavra tem um muro

onde se esconde deusa refratária

 

contra a palavra invisto

nesse tempo

a palavra é um silêncio

que se recusa

e contra mim atenta

 

outras vezes desliza

é fio de água

ribeiro a correr nos roseirais

onde os peixes passam

átomos originais

 

assim a palavra se revela

se obstina ou se rebela

criando esta tensão

que me percorre

no silêncio ou no grito

com que se morre

 

palavra cuco império é a palavra

 

edifício construído sobre o nada

que é o ar a sílaba modulada

 

assim entendo o meu campo

a minha lavra

como lavrador me angustio

se o tempo não convém

à sementeira

 

mas sempre no inverno

ao som do frio

no meio da solidão onde me ostento

ponho as minhas palavras

na fogueira

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Carlos Alberto Correia às 18:46


4 comentários

De Domingos Pimenta a 22.03.2015 às 20:50

Palavras para quê?
É do Carlos...

De Carlos Alberto Correia a 23.03.2015 às 18:54

Obrigado, Domingos, por teres lido, comentado e sobretudo obrigado pelos tantos anos de amizade.
Carlos

De Maria Barradas a 08.12.2016 às 14:49

Que belo Carlos, vou partilhar sem te pedir licença....
grande abraço!
Quero deliciar-me com mais...

De Maria Barradas a 08.12.2016 às 18:44

Quando as palavras
bailam
dançarinas
nas lentes dos meus óculos,
e espreitam
e sorriem, enganando-me nas voltas
convidando-me a dançar
à volta da cabeça
entontecendo-me
se emaranhando nos cabelos
que teimo em alisar.
Quando assim surgem,
tapando a pouca luz do fim do dia
e se arremessam de jacto no papel
não posso fazer mais do que escrevê-las.
Pois escrevendo-as,
posso voltar a ser como me desenho.
E me espelho.

Comentar post








comentários recentes