Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O estilo brilhantina

Sexta-feira, 28.12.07





Desde que num pretérito congresso do PSD o Sr. Dr. Luís Filipe Menezes saiu em desgraça por ter invectivado os congressistas pelo horrível vício, inerente a boa parte deles, de serem “sulistas”, não perdi de vista esta prometedora personagem.

Devo dizer que muito me custou os anos de relativo apagamento que sucederam ao seu pequeno deslize político-regionalista. Rejubilei quando, através da autarquia a sua estrela recomeçou a ganhar brilho e fui impacientemente esperando que ela se levantasse no zénite e lhe proporcionasse os rasgos de indesmentível mérito a que tinha direito.

Tremi quando um indefectível sulista ameaçava, com os seus êxitos na capital, retirar-lhe o facho do mais incrível abencerragem do quadrante político do centro-direita, mas, confesso, estive perto da traição, deixando-me seduzir pela criatividade na asneira dessa figura de opereta. Muito se esforçou o inefável Santana por conservar o pódium, mas a incompreensão do povo e a força dos poderosos haveria de fazer borregar o esforço indómito do menino-guerreiro, aquele a quem todos, desde pequenote, davam com arrebatamento na tola.

Entusiasmei-me, esmoreci, deprimi-me quando o brilhantismo político de Santana e da sua corte, afastados do poder, me negaram a diversão e o insólito das broncas e do estilo cabelo puxado para trás com brilhantina, próprio para dar seriedade aos actos importantes de tão gravérrima personagem.

De qualquer modo, o crescimento da estrela sulista impedia o engrandecimento e brilho da estrela nortista. Como nada é na vida totalmente mau, o afastamento da ribalta de Santana, permitiu a abertura de espaço propício ao desenvolvimento do autarca de Gaia.

Não tendo sido criado nos princípios sábios e morais de que não se bate nos mais pequenos, o Menezes, aproveitando a vaga de descontentamento partidário e, tomando as dores de quem não queria queimar-se por afastar a destempo um chefe tido em desamor, zurziu no pequenote de voz grossa e mandou-o para casa com um cresce e aparece de indescritível superioridade, prometendo que, com ele no leme do PSD, é que o Governo Socialista iria apanhar das boas.

Houve gente que acreditou!

E lá ganhou o Menezes o palco nacional. Sob a luz forte dos holofotes perdeu rapidamente a empáfia e adoptou uma pose de estado, com brilhantina baça na voz, agora pausada e institucional, a fingir uma ponderação inexistente e cómica, revelando insegurança por todos os lados, dando a sensação de quem se meteu num sarilho e não sabe como sair dele. Algum conselheiro, que não o grama ou a soldo de potência exterior, sugeriu-lhe que, para não se sentir tão sozinho no palco do quase-poder, utilizasse os serviços do menino que não estando lá, andava por aí, aos caídos digo eu, e repescou-o para a direcção do grupo parlamentar.

Jogada de génio! Emparelhadas as estrelas, unificadas as brilhantinas, solidificado o estilo de pompa e balofa circunstância fica o ditado provado “ Deus os fez, Deus os juntou”. O problema restante é o de saber quem vai arcar com as culpas quando perderem as próximas legislativas.

A parlenda poderia parar por aqui, com o reconhecimento que estes políticos são uma verdadeira ameaça ao futuro dos Gatos Fedorentos, se o inultrapassável Menezes não se tem saído com mais um formidável arranque político, muito a propósito para o fortalecimento da democracia e da fé dos portugueses nos seus políticos e instituições.

Foi o caso, eu ouvi com estes que a terra há-de comer, da sua peremptória afirmação de que concorrendo ao BCP um presidente da área socialista, teria de ser nomeado, obrigatoriamente, para a CGD um presidente do PSD.

Assim, sem mais nem menos!

Ouvi e espantei! Não por não saber que desde há muito, no campo económico-financeiro, existe uma convenção, não escrita, de repartição de poderes pelo blocão do centro, mas sim pelo despudor do requerimento o qual, não se baseava minimamente em critérios de competência mas sim na posse do cartão do partido. Este sim era exigência indispensável. A competência, se a houvesse, viria depois.

Lindo! Admirável! Inultrapassável!

Empresas privadas, empresas públicas, irmanadas na mesma luta! Para lá das diatribes sobre independência, competência, livre decisão de accionistas, mantêm-se, nestes pobres liberais, a crença profunda no amparo do Estado, a sua especial predilecção pela distribuição de benesses e pela resolução das porcarias que sem rebuço vão fazendo e que, longe da sanção justiceira que se esperava, terminam num conluio de compadres, onde o que está em jogo é a divisão da presa num ora tomas tu, ora tomo eu, em estilo brilhantinoso e cediço, que agonia o mais distraído dos cidadãos.

Será possível “dessarriscar-me” de sócio deste engordurado País, alegando o estado de vómito contínuo?



Publicado in “Rostos on line” – http://rostos.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Carlos Alberto Correia às 16:29


9 comentários

De Pézinhos n' Areia a 28.12.2007 às 17:14

isto anda tudo "ligado" ... (ou conectado ???)

E aquele rapaz ? o vara ???

Só com muito "vomidrime" (medicamento para as náuseas), se consegue aguentar o estado engordurento desta trampa, que Afonso Henriques conquistou, dando porrada na mãe.

Que excelência de "Gestores de Conhecimento" !

Fede .... ! ohhhh ...yehhh !

Já agora Carlos Correia !!!

um 2008 ... porreiro, pá !

beijoca para a família TODA !
:-)))))

De Carlos Correia a 28.12.2007 às 17:34

Pézinhos plantados na misteriosa areia de quem conhece e não é reconhecido, palavras simpáticas e concordância de ideias, "Romêro, romêro, quem és tu?".

Retribuo as beijocas e comunico oficialmente que a família está boa e se recomenda.

Tichau!!!

De Pézinhos n' Areia a 28.12.2007 às 18:00

Ninguém !!!!!!!



ahahahah .... bem ! ... sou alguém que muito estima CC e afins !!

Cadê o email nesta "coisa" ?

:-))))

De Carlos Correia a 28.12.2007 às 19:40

Não sei para onde foi o e-mail. Verifiquei o template e tem o espaço para o mail activo. Não percebo porque é que não aparece nos posts.

De qualquer modo penso que já sei quem és. O teu nome não começa por J?

De Pézinhos n' Areia a 28.12.2007 às 20:25

ahahahhah .... who knows !!!!???

Espero que gostes do meu blog.

um abraço apertado de amizade

De Pézinhos n' Areia a 28.12.2007 às 20:29

decididamente ... e-mail (teu) aqui no blog ???
népia ! ...:-(
se quizeres deixar, eu escrevo-te.

inté ...

De Carlos Correia a 28.12.2007 às 23:07

Aqui vai o mail: carlos.correia.5@netvisao.pt.

Até breve

De Anónimo a 30.12.2007 às 10:38

tu já eras mau para os governantes. agora que tens o tempo livre o descasque ainda é maior. muito atento sempre estive e estarei. dá-lhes!
por acaso não és de évora?
nunca andaste à batatada com os mais poderosos no jardim do bacalhau? os "ricos" faleiros levavam bordoada só porque tinham a mania de zucar nos pés descalços da nossa rua. quero dizer: antigamente era ao murro agora é à pena.
o toi, o peúga, o basílio. tu e eu tambem usávamos o cabelo brilhante mas... nunca nos afectou o cérebro. talvez porque o axeite é que dava brilho. qual brilhantinha - caríssima (?)- vendida na drogaria tojo!
que nunca te doa a pena e o brilho com que sempre nos delicias,
komunista!

De Carlos Correia a 31.12.2007 às 01:04

Obrigado, anónimo Kira.

Um bom ano novo!!!

Comentar post








comentários recentes