Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Memória XVII - ofício

Terça-feira, 22.09.09



longo das paixões latentes gelos
as distâncias giram
fascinando círculos de som

nem vómitos nem água
inauguram a nuvem
móbil de procura o sol
distende gritos

colar os lábios às casas
instantes que restam
nos remos da memória

húmidos recôncavos do sono
alquímicos véus da floresta

tão duro ofício a reconhecer




Lisboa, Agosto de 1984

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Carlos Alberto Correia às 11:31


1 comentário

De Anónimo a 09.10.2009 às 00:13

Leitores e amigos... se há poetas neste país ei-lo.Uma voz que se destaca pela esência e beleza.

Tirem um tempito e de fruidores passem a deixar um breve comentário que seja. Entretanto, saboreem a poesia como uma maçã em dia de calor


Inha

Comentar post








comentários recentes