Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Que título darei a isto?

Terça-feira, 12.10.10



Sento-me ao correr dos ventos que fazem a tremulina dos rios e desespero com a ausência de angústia. Deveria, neste momento em que o devaneio se perde pelas áleas da escrita, arrepelar cabelos, dar pancadas no peito e, de olhos postos nos céus, desgarrar em grito desesperado: o que vai ser de nós?!

Oiço os nossos maiores, em funda preocupação interrogarem os tempos, tecerem rotas e caminhos por onde alguma segurança se insinue e recordo os olhares receosos, ou desesperados, de quem embate em inultrapassável parede. Acresce-me a culpa de já não conseguir preocupar-me com as suas preocupações. Contra minha vontade sinto-me distanciado, alheio, apenas me assolando os lábios do espírito um friso de indiferença traduzido num descabelado: e depois?

Se a graça da religiosidade me enfeitasse poderia justificar o meu estado de alma com o ensinamento bíblico de que não deve o homem preocupar-se excessivamente com as coisas terrenas porque nem uma pena cai de uma ave, nem um cabelo de qualquer cabeça, sem que tais acontecimentos não tenham sido previstos e queridos pelo senhor dos céus. Mas não tenho essa desculpa e não descubro como encarar os acontecimentos com o devido estado de preocupação e seriedade com que os mesmos deverão ser enfrentados. Sinto-me, por isso, quase como um pária ou, querendo ser mais simpático para mim, como um monge budista olhando o tremular dos rios deixando a corrente levar os pensamentos até à extrema intensidade do alheamento.

É assim que me sinto. É assim que me contemplo. É assim que estou!

E no entanto, sexta-feira, dia 15, já tão depois de depois de amanhã, o governo entregará na Assembleia da República o Orçamento Geral do Estado no qual, dizem, repousa o perigo de mil caixas de Pandora. Da sua aprovação, parece, dependerão o Sol e a Chuva, o Outono e o Verão, a felicidade ou o estéril tempo da derrota. Com ele, diz-se, continuará o tempo com os sobressaltos que lhe cabe; sem ele a derrocada final de um indescritível Armagedão tombará, insano, sobre as nossas culpadas cabeças. Entre o descrédito e o arrependimento serão os homens colocados e julgados. Enquanto o terror se insinua no verbo dos arautos eu, estranhamente, continuo discreto e indiferente.

Nem mesmo a terrível ameaça da chegada do Fundo Monetário Internacional (FMI) me acabrunha. Estou insensível, talvez indiferente, certamente anestesiado. Tal catatonismo invadiu-me por excesso de preocupação. No início da crise procurei, por todos os meios compreende-la, dominá-la, ultrapassá-la e, piamente acreditei que do grande fragor alguma coisa de novo aprenderia a humanidade. Porém, quanto mais se agravavam os actos mais eu via que se agraciavam os culpados e se castigavam as vítimas. Percebi que por misteriosos jogos de espelhos as imagens chegavam virtuais, invertidas, transmutadas. Aos industriais que arruinavam os seus países, por deslocalizações gananciosas das suas indústrias e investimentos para zonas onde a exploração da miséria lhe garantissem maiores ganhos, eram entregues os poderes para resolverem, a favor dos povos, estas movimentações. Eles arreganhavam a taxa e serviam-se destes favores, desculpando-se com hipócritas contrições, para incrementarem o fluxo dos seus roubos da prosperidade dos outros, espalhando miséria ao engordarem enormemente os seus cabedais. Embriagaram, na mentira do podes ter tudo assim o crédito de alumie, os incautos pagantes os quais, agora, por mais que queiram, sem depósitos nem emprego, não têm, não pagam, não podem, mas conservam as obrigações e, perante os financeiros, ficam com a cerviz mais dobrada que o habitual. Para garantir o fluxo financeiro os governos retiraram o que ao povo ainda restava e entregaram aos génios das finanças para que eles pudessem continuar, sem qualquer emenda, antes mais forte e intencional, o jogo especulativo em que poucos enriquecem fazendo os muito cada vez mais pobres e carregando-os, cada vez mais, de miséria e complexos de culpas.

Se assim vai o mundo, pior vai o país. Pequeno e devedor tem, na maioria da sua classe política, um grupo de predadores somente preocupados que o seu prato de lentilhas seja abundante e suculento, ainda que para isso fiquem os pratos dos outros encardidos de míngua. Entregaram, venderam, puseram à disposição dos seus patrões o tudo desta Nação esperando a migalha tombada da mesa dos senhores. Dizem agora aterrados, que sem eles o mundo desabará, o Sol não percorrerá a sua rotas e, continuando a parafrasear Brecht, o trigo não saberia como crescer. Outros, com o mesmo fito, mas contrários nos seus interesses dizem o mesmo acrescentando, no entanto, que só eles poderão levar a nau a bom porto; que aqueles que estão no poder são incapazes e irresolutos, que só eles, usando e abusando das mesmas medidas, serão capazes do bom conseguimento das coisas. Ambos ameaçam o caos se os não apoiarmos e, papão dos papões, virão os estrangeiros decidir o caminho do País.

Morre-se de ridículo nas praias de Portugal. Como se não fossem já os estrangeiros a decidir do nosso destino. Como se as medidas preconizadas não fossem já decididas por estranhos. Como se eles não fossem os intermediários dos países poderosos da Europa pouco comunitária. Vivendo na ficção do seu poder querem-nos cúmplices da sua manutenção ou conquista. Capatazes de forças que não dominam babujam os restos e pensam-se convidados para o banquete. Só por trágico não dá vontade de rir. Que diferença faz para nós ser o Governo, o FMI ou a Oposição a aplicarem garrotes aos feridos, se a técnica, intenção e resultados são os mesmos? Passando o orçamento a nossa vida melhora? Com as medidas que preconiza certamente não e, não será forte adivinhação preconizar que virá ainda a ser pior. Então que nos importa quem ministra o veneno? Deixem-nos com as suas guerras de alecrim e manjerona e percebamos, finalmente, que neste paradigma não há lugar para o bem público. Que se esganem as feras entre si. Deixemos olimpicamente que se destrocem pelo osso que lhes é atirado e pensemos seriamente naquilo que verdadeiramente interessa.

É por isso que, no momento me sento ao correr dos ventos que fazem a tremulina dos rios e nem sequer já desespero com a ausência de angústia.

Publicado in “Rostos on line” – http://rostos.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Carlos Alberto Correia às 15:03








comentários recentes