Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



tema da solidão IX

Segunda-feira, 18.02.08
Posted by Picasa

por vezes escrevo
como quem luta
outras
como quem disfruta
do modo
da conduta

o importante é agarrar
a frase o lento murmurar
por dentro da palavra

o importante é descobrir
o senso que oculta

porque conhecer é desconhecer inicialmente
o resto é a semente
com que se emprenha o futuro

às vezes a palavra tem um muro
onde se esconde deusa refractária

contra a palavra invisto
nesse tempo
a palavra é um silêncio
que se recusa
e contra mim atenta

outras vezes desliza
é fio de água
ribeiro a correr nos roseirais
onde os peixes passam
átomos originais

assim a palavra se revela
se obstina ou se rebela
criando esta tensão
que me percorre
no silêncio ou no grito
em que se morre

palavra cujo império é a palavra

edifício construído sobre o nada
que é o ar a sílaba modulada

assim entendo o meu campo
a minha lavra
como lavrador me angustio
se o tempo não convém
à sementeira

mas sempre no inverno
ao som do frio
no meio da solidão onde me ostento
ponho as minhas palavras
na fogueira

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Carlos Alberto Correia às 17:12


1 comentário

De Luciano Barata a 28.02.2008 às 16:05

Tão simples como profundo este percurso sobre a força das palavras.E embora contadizendo Eugénio de Andrade... e... mesmo que as entornes no lume quando chega o Inverno; "Ainda não gastámos as palavras todas"

-Realmente o "merdoso" ataca constantemente.

Comentar post








comentários recentes