Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



memórias XXIII - mensagem

Terça-feira, 06.07.10



I
constrói um pouco da coluna
que nos dias ergue o sol

abraça as cordilheiras do tédio
o prado esmaecido pela brisa do lago
as espantosas chuvas que se oferecem
ao chamamento das aves

sobre o fio da música repousarás
asa que destapa o sonho e enfrenta
o vórtice do vácuo

as palavras irisdecem nos céus de estrelas em febre

II
só o imaginário é virgem de magníficos sem fins
significâncias com que a voz agradece o dia
substância correspondendo ao sentimento das águias

tudo é aquilo que é sendo outra coisa
o caminho tende à compreensão do infinito
à inqualificável magia de viver
como se viver
não fosse mais que estar vivo e recomeçar

III
por onde ainda iremos na frescura das manhãs
como o vento como o barco como o barro
donde consta o homem foi moldado
em perfumes de inconsutil finitude

tudo está em nós e se prolonga
diferentemente em outras consciências
tal mãos sonhando a casa por nascer

a controvérsia fio de afirmação
traça à luz dos discursos a vela de iluminar rotas
exacto momento de equinócio
diáfanas relações de vento e água
excluindo as evidentes chuvas de inverno
emersas da zanga natural dos tempos

numa precária espera de espaço
a minha balança de eixo desviado
equilibra a pequenez azul e brancamente franjada
do repouso em todas as direcções

não há outra escolha que o movimento
abracemos então a dança dos fantasmas e transportemos
o longe para o perto que por não o ser
sempre será

amanhã

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Carlos Alberto Correia às 13:13








comentários recentes




subscrever feeds