Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Bullying à alentejana

Quarta-feira, 24.03.10



(Excerto do capítulo Boa-Nova do romance em construção Concerto para Sanca João)

Saíamos compostos, por filas de carteiras, da sala de aulas. Passada a porta acabava a compostura e com gritos de selvagem liberdade corríamos direito às bicas dos bebedouros, alimentados, a partir da nora, pelo rodar incessante de um burro de olhos vendados, condenado, como Sísifo, àquele eterno deambular sem progresso que se visse. Quando cheguei às bicas já uma pequena multidão chegara à minha frente. Aguardei, na fila, a minha vez. Preparava-me para, dobrando o corpo, torcendo o pescoço, pôr a boca abaixo da bica escorrente quando, imperiosa uma voz eclodiu no recreio:

- Chegar e “boer”!

Desconhecia, por novato, as regras do recreio. Faziam gala, os alunos da quarta classe, em chegar ao recreio depois de todos os outros. Deixavam formar as bichas de pirilau para a dessedentação e então, fazendo valer o direito da sua senioridade e maior força física, afastavam os pobres gaiatos do bebedouro. Como estava na minha vez de beber, continuei sem me importar com a ordem do brutamontes o qual, colocando-se atrás de mim repetiu “chegar e boer”. Aos meus ouvidos moucos sucedeu um chapadão. Bati com o lábio na bica, rachando-o e abrindo um entorneiro de sangue que fez acudir o vigilante. Que se passa aqui? Nada, disse a brutidade. O puto escorregou e feriu o lábio. Ninguém tugiu nem mugiu. Olhei bem para a cara do mânfio enquanto era levado para a enfermaria para ser tratado.

Quando a minha mãe me viu com o lábio num trambolho ficou aflita e irritada. Que não, dizia o vigilante, não fora briga nenhuma. Escorregara no chão molhado do bebedouro e magoara-me. Calei-me e só a caminho de casa contei à minha mãe o acontecido. Amanhã levas um barril com água. Isso não volta a acontecer, decidiu. Escolhi o barril. O maior! Feito de um barro forte e vermelho. É muito grande! Não, mãe. É este que eu quero. É bom. Mas vais muito carregado para a escola. Não vou. Ponho um cordel dobrado entre as asas e assim não custa nada. Raio de rapaz, teimoso como tudo. Levei a minha avante e, no dia seguinte, sozinho, derreado pelo peso da sacola de serapilheira levada a tiracolo e pelo incómodo do barril, lá fui para o meu segundo dia de aulas. Embora gostasse de aprender e o início do ano fosse mais passado em jogos que em qualquer coisa parecida com aprender – inquieta a minha mãe perguntava-me se já escrevera letras, lera ou cantara a tabuada ficando muito desiludida quando lhe dizia só cantámos, jogámos e o professor é que leu e falou connosco sobre o que tinha lido – nesse dia o tempo, até ao recreio da manhã, parecia não passar. Mal se ouviu o toque da campainha saltei como mola retesada levando o professor a mandar-me sentar advertindo: mesmo que o sino toque só se levantam quando eu disser. Permaneceu pétreo, olhando-me fundo, debaixo do crucifixo, enquadrado pelas fotografias, sempre presentes, do Marechal Carmona, feito presidente da República e do verdadeiro mandante Oliveira Salazar. Ao podem sair corri para o bebedouro encostando, com desvelo ao peito, o pesado barril cheiinho de água. Não fiquei na fila. Coloquei-me estrategicamente nas imediações das torneiras e aguardei que chegasse o crápula que me tinha rachado o lábio. Quando o espertalhão se inclinou para beber só deve ter notado o barril a atingir-lhe as têmporas quando o rasgão na pele se abriu e o sangue dele se derramou no exacto lugar onde o meu correra no dia anterior. À estupefacção de caloiros e veteranos seguiu-se um burburinho da malta da quarta a avançar contra mim. O voltear do barril na minha frente, fazendo um zunido de vento a ser cortado, dissuadiu a turba das intenções vindicativas que contra mim laboravam. Quando o vigilante, sempre tardio, apareceu eu, adiantando-me a todos os outros, olhei-o bem fundo nos olhos, informando-o: escorregou na lama ao vir beber. Ninguém me desdisse e nunca mais, estando a beber, alguém com insolência me disse: “chegar e boer”

Publicado in “Rostos on line” – http://rostos.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Carlos Alberto Correia às 18:42

Pedofilia

Quinta-feira, 18.03.10



(Excerto do capítulo “Boa Nova” do romance em construção “Concerto para Sanca João”)


…Que os santos me perdoem esta dúvida mas foi o seminário o primeiro plantador de suspeitas. Aconteceu no meu segundo ano. Era prefeito da camarata o Padre Lucas. Fosse embora seu mester submeter a apertada vigilância os jovens a seu cuidado, vendo se tomavam duche de calções e camisola interiores vestidos, se dormiam com as mãos fora das cobertas, cumpria a sua tarefa de forma doce como se de brincadeira se tratasse. Obrigava-o a sua função a adormecer muito depois de nós e a acordar antes. Tudo fazia por bem o santo homem e sendo o último a abandonar a camarata, era o primeiro, aos alvores da manhã, a acordar-nos com palavras bem-dispostas, tal ave madrugadora em solarengos madrigais. Todos gostávamos dele até que um dia o Zé Maria, em assustada confidência, nos disse o padre é maricas. Não pode ser! Cala-te Zé Maria. O que estás a dizer? Não cabia em nenhum de nós semelhante pensamento. Era aterrorizador. O nosso prefeito! Sim, confirmava Zé Maria. Ontem, já vocês dormiam todos senti que alguém me levantava as roupas da cama. Fiquei borradinho de medo, sobretudo quando vi que era o padre Lucas que estava a tentar desapertar-me o laço das calças do pijama. Quando abri os olhos ia gritar. Tapou-me a boca e disse chiu! Estou a ver se não te estavas a masturbar. Se gritares ou disseres alguma coisa vou informar o reitor de que te apanhei em masturbação. E tu? Calei-me e ele bateu-me uma punheta.

Se não fosse o Zé Maria a contar não íamos acreditar. Mas ele era nosso amigo já na Cidade e, filho de sacristão, não iria mentir e inventar uma coisa daquelas sobre o padre Lucas. Que vais fazer? Vou-me embora do seminário. Não estou para isto e se ele sabe que falo com vocês ainda me arranja um sarilho. Vê lá se ele conta ao meu pai. Não vais nada embora, disse o Bento, já reconciliado comigo e decidido a ser amigo porque ambos éramos estrelas, a gente resolve isso. Resolve como, perguntei. Fácil! Logo à noite fingimos que adormecemos. Quando o padre Lucas for ter com o Zé Maria ele começa a gritar ladrão, ladrão e nós pomos os cobertores por cima do padre, arriamos-lhe uma carga de porrada e vais ver que ele não é capaz de fazer nada que te lixe! Combinação feita, espera, depois do apagar da luz, que o padre viesse ao local do pecado. Veio e tudo aconteceu como o previsto. Foi tanta a algazarra que o Reitor, cujas instalações eram próximas desta camarata foi quem abriu a luz. O quadro era por demais explícito para que merecesse dúvidas. Em cima da cama, berrando com um desalmado o Zé Maria, de calças de pijama caídas, continuava a gritar ladrão, ladrão, enquanto saltava que nem um cabrito, como se histérico estivesse. Debaixo dos cobertores lançados por sete putos, em pijamas ou ceroulas, debatia-se o padre Lucas. Severo, o reitor, mandou que Zé Maria se compusesse e ordenou ao padre Lucas, já para o meu gabinete. No dia seguinte já ninguém viu o padre Lucas e, na hora de estudos, um novo prefeito transmitiu que o padre Lucas se ausentara por ter sido acometido de perturbações mentais.


Publicado in “Rostos on line” – http://rostos.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Carlos Alberto Correia às 14:46

Memórias XIX - fragor de rosto

Segunda-feira, 08.03.10



I

um mosquito doido pousa na vidraça
o cais alonga-se ao correr do risco
rumo de olhares contemplando chuvas

a água da nascente aperta-me a garganta

II

trazes hoje um semblante de palavras
imensa descoberta que se espalha triste
sobre a sombra da tarde

a paisagem habita-se de encostas
de outros impossíveis campos rompe a floresta
e escala oculta a imperfeita génese dos contornos
mágicos das cinzas das estrelas coalhadas de espanto

por agora nas manhãs enregeladas suponho o ritual
estandarte onde se agarra o vento
dos corpos nos traços das ofertas

canto o nome dos lugares de todo o procurar
a harmonia inteira o que se pode sorrir
entre os cortados de montes e paisagens
sem rios e sem diferenças

ao revés da cera em que a tarde se esbate
em passo apontado ao outro lado
o silêncio aquece o rubor estridente dos campos

III

na vidraça doido dança o doido do mosquito



Lisboa, Fevereiro de 1984

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Carlos Alberto Correia às 17:37

A Justiça do Segredo

Quarta-feira, 03.03.10



O Artigo 2º da Constituição define-nos como um Estado de Direito Democrático, onde, pelo menos em tese, a soberania reside no Povo. Quer isto dizer que todos os poderes legítimos derivam da vontade popular livremente expressa e do princípio da separação dos mesmos. O legislativo e o executivo são eleitos. O judicial não! Os seus hierarcas são votados, cooptados ou nomeados corporativamente ou pelos outros poderes dos quais são teoricamente independentes. Possuem, portanto, uma legitimidade delegada por quem também já tem um poder igualmente delegado. No entanto não seria por aqui que o gato iria às filhoses. O problema é que a estes mandatos que, pelas suas circunstâncias, ousarei chamar de limitados, juntam-se as questões de inamovibilidade e da irresponsabilidade, isto é, a nenhum juiz poderá ser retirado um caso por conveniências quaisquer, nem lhe poderá ser imputada responsabilidades sobre as decisões tomadas. Princípio justo que pretenderia salvaguardar a independência dos juízes mas que exigiria, continuadamente, que a existência dessa mesma independência, não fosse, de qualquer modo, comprometida pelo modo de designação, por compromissos partidários ou pela defesa do corpo fechado de agentes em que estas instituições se podem transformar. Por uma perversão de carácter o que era um meio poderá constituir-se como fim e, por vezes mesmo no único objectivo dessas instituições, numa lógica própria de sobrevivência e reprodução dos estatutos dos seus membros.

As semanas anteriores têm vindo a ser incendiadas por um vívido debate sobre o segredo de justiça e a legitimidade de o mesmo ser ultrapassado quando o interesse colectivo se opõe ao individual. Levanta-se uma primeira perplexidade quando, estando a soberania no povo, algo ou alguém, com um poder dele derivado, se permite decidir unilateralmente o que lhe deve ser dito ou ocultado. Por mais uma das abundantes subversões das nossas relações sociais perde o mandatário essa qualidade, passando a entidade subordinada a mandante, reduzindo tudo ao critério dos seus interesses institucionais. No limite chegaremos ao velho conceito salazarento do povo-criança, impreparado para entender os subtis caminhos das governações, a quem deve ser evitado o esforço desumano de conhecer e opinar sobre acontecimentos determinantes para a sua vivência.

Por tais artes parece estar assente o sacrossanto dever de preservar a todo o custo o dito segredo de justiça. Interroguemo-nos qual será o fim deste recato quando o que ele preserva são crimes contra pessoas ou bens, que deverão, por definição, ser públicos quer no julgamento quer no resultado a que se chegue em sede de juízo. Dizem-nos os mestres do Direito que tal secretismo poderá ser útil, durante algum tempo, para preservar e possibilitar a investigação. Muito bem! Estamos visivelmente na presença de um meio de duração limitada e com a única finalidade de facilitar a obtenção de provas, não alertando para tais intentos os indivíduos suspeitos. É compreensível e aceitável. Evita-se assim a destruição de provas e a obnubilação de factos ou circunstâncias. Só que, passado este momento crítico, o segredo de justiça será retirado e o processo ficará em domínio público. No entanto não é isto que verificamos no quotidiano judicial. Os inquéritos são intermináveis e o segredo de justiça nunca mais acaba. Resultado? Insatisfação, revolta e constantes fugas de informação no intuito de ilibar ou castigar, em público, o que a justiça não fez, em tempo, nos seus palácios. É a homeostase da sociedade civil a equilibrar os poderes mal entendidos que pretendem dominar o conhecimento e o direito de cada cidadão.

O caso mais flagrante e contemporâneo é, como toda a gente sabe, o das escutas telefónicas orientadas para negócios de sucatas que aparentemente apanhou na rede peixe muito mais graúdo e negócios de muito maior monta. Os representantes da justiça, em Aveiro, viram crime onde o Presidente do Supremo Tribunal e o Procurador de Justiça nada viram que tal se parecesse. Provavelmente andaram em faculdades diferentes e estudaram outro direito, porque tudo é gente de bem e ninguém cede a pressões de chefes ou governantes. O que neste caso me impressiona é o poder desmedido concedido ao Presidente do Supremo e ao PGR. Então se um primeiro-ministro for apanhado numa escuta a perpetrar um crime e se tiver poder para pressionar a seu favor qualquer uma destas entidades o crime nunca virá a público nem será julgado? Não é de bradar aos céus que para coisas bem menores seja necessário um colectivo de juízes e para situação de tal monta um apenas seja suficiente? Ou eu estou enganado ou isto não é mera distracção.

Um outro debate que destes casos decorre, mas ficará para melhor oportunidade, é o de saber da legitimidade das escutas, do seu emprego, da sua divulgação e, esclarecer muito melhor o que é do âmbito privado ou não. É que no limite mesmo combinar-se entre duas pessoas um golpe de estado ou a morte de alguém, desde que seja feito por meios próprios e entre duas pessoas poderá sempre ser uma conversa privada e, a contrário, se duas personalidades públicas falam aos telefones de suas casas, dos filhos, da mulher ou da amante corre-se o risco do exagero de se considerar conversa de interesse público. Como se vê o tema é vasto, perigoso e merece certamente melhor tratamento que aquele que a baixa política anda a dispensar-lhe.

Publicado in “Rostos on line” – http://rostos.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Carlos Alberto Correia às 14:49








comentários recentes




subscrever feeds