Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Downshifters

Quarta-feira, 27.02.08
Posted by Picasa

John, rico banqueiro americano, passava, há muitos anos, férias anuais na Ilha de Maui, no arquipélago do Havai. No decorrer desses anos conheceu um pescador, de nome Mauna, de quem se foi tornando amigo. Conversavam descontraidamente ao Sol, deitados nas redes suspensas entre palmeiras vizinhas, discorrendo sobre a vida, as mulheres, as bebidas e outros prazeres que a amena temperatura e o relaxamento da boa vida proporcionavam.

Depois de muitas férias passadas, na confiança adquirida nos aprazíveis conciliábulos, um dia, cuidadosamente, John disse a Mauna:

- Meu caro amigo sabe como o estimo, o prazer que tenho em encontrá-lo aqui todos os anos e como me é agradável passarmos este tempo maravilhoso bebendo e preguiçando no calor da praia. Deixe-me no entanto, e não se ofenda com isto, dizer-lhe da minha estranheza pela falta de ambição que revela. Tenho reparado que o amigo, consoante a sorte das marés, leva o seu barquinho para o mar, deita as redes, regressa à praia e, passadas umas horas, torna ao mar para recolher a rede. Entrega o pescado na lota e regressa à praia.

- É verdade, returque Mauna, é essa a minha vida.

- Pois é por isso que penso haver em si uma notória falta de ambição.

- É possível, mas porque é que diz isso?

- Bem, parece-me que não utiliza ao máximo as suas potencialidades bem como as deste local. Com o tempo que lhe sobra dessa única ocupação diária bem podia comprar um equipamento de mergulho e ir, entretanto, caçar umas lagostas para aumentar o seu rendimento.

- Verdade que sim, e o que faria com o rendimento adicional?

-Ora, homem, aforrava e quando fosse suficiente comprava um novo barco. Entregava-o ao seu filho mais velho e, produtos reunidos, você ficaria bastante mais rico.

- Tem toda a razão… e depois de ficar mais rico o que faria com esse dinheiro?

- Comprava outro barco, entregava-o ao filho seguinte e triplicaria o seu rendimento. O capital acumulado, os juros e um empréstimo bancário, possibilitar-lhe-iam adquirir uma traineira de pesca longínqua.

- Está bem visto, sim senhor. E depois?

- Com um pouco de sorte iria aumentando a frota e poderia vir a ser um potentado das pescas e quem sabe se um armador de nível internacional.

- Tem toda a razão o meu amigo. Quando fosse um armador de nível internacional, faria o quê?

- Ora então, poderia gozar um rico mês de férias, passá-lo sem nenhuma preocupação numa bela ilha como esta, com o único cuidado de tirar o melhor aproveitamento do seu tempo de lazer e sol.

- O amigo não deixa de ter razão mas, se não reparou chamo-lhe a atenção para que, sem tantos trabalhos, ser precisamente isso o que faço, todos os dias, desde há mais de cinquenta anos.

A história não nos diz qual a resposta do banqueiro, nem tal é, em absoluto, necessário para os nossos propósitos. O que fica claro é a existência de dois diferentes modos de encarar o sucesso e a vida, de duas filosofias radicalmente opostas, degladiando-se no palco mundial.


A sociedade moderna impõe ritmos de mudança rápidos e muitas vezes espúrios. As palavras mágicas actuais são acumulação e inovação, tendo esta última perdido o sentido inicial de alterações essenciais para a melhoria de objectos e utilizações e representando apenas a pele com que as empresas, envolvidas numa luta de morte pelo domínio do mercado e pela maximização do lucro, tentam diferenciar o mesmo produto com roupagem diversa, através de uma trama de mentiras publicitárias visando arregimentar o maior número de consumidores, independentemente da necessidade do produto ou da real capacidade de satisfação do utilizador. No entanto isto é apenas a superfície da torrente. É que para obter o chamado sucesso torna-se necessário alterar os valores de convivência social. Deste modo o Ser cede lugar ao Ter e esta inversão modifica profundamente os comportamentos e relacionamentos sociais.

A inveja, a frustração, o egoísmo tornam-se os valores fundamentais da sociedade. Os meios de comunicação social vendem, “ad nauseam”, a imagem de gente bem-sucedida, vidas paradisíacas, tudo apenas pela obtenção dos produtos Y, da viatura Z, da casa Alfa. As pessoas, muito lá no fundo, acreditam e constroem a esperança em espuma de vento. Mas como todos sabemos nem as promessas estão ao colher da mão, nem as minorias que as obtém, tiram delas a satisfação esperada e prometida. No entanto, todos os dias, toda a gente se atola um pouco mais na dívida, no fossar em trabalhos excessivos e desumanizados que levam ao total domínio da pessoa, a qual, sem tempo para reflectir na sua condição, vai perdendo as referências humanas e conviviais, desinteressa-se da coisa pública, vê em cada vizinho um adversário que urge ultrapassar com mais dez centímetros de comprimento de carro, mais cinco metros de jardim na vivenda, mais umas férias, cem quilómetros mais longe, escondendo o empenhamento financeiro contraído e ficando na dependência absoluta de quem gere os créditos, diminuindo de forma absoluta a sua liberdade de escolha.

Contra este estado de coisas, algumas minorias esclarecidas, desfrutando de uma segurança económica que lhe permite fazer estas opções, decidiram que ter mais tempo livre, mesmo que tal signifique uma diminuição de disponibilidades monetárias, é preferível a continuar na corrida insana de, através da posse, ostentar um estatuto de supremacia sobre os outros, que a nada de útil ou positivo conduz São estas pessoas, raras por enquanto, que são denominadas “downshifters”.

A sua atitude é profundamente racional e visa dar respostas globais à degradação das relações sociais e a fenómenos mais vastos no campo ambiental. No seu limite tenderiam a destruir completamente, por contenção, o sistema maximizador capitalista, a tornar efectiva e durável a preservação ecológica e a avançar para uma redistribuição mais equitativa dos recursos existentes.


Podemos considerar que é utópica e franciscana esta forma de vida, que nem todos os que a iniciam conseguem mantê-la e que múltiplos desvios podem sempre reconduzi-los à lógica dominante. Mas, também não podemos deixar de pensar que muitos movimentos alteradores da face do mundo começaram de maneira quase apagada e foram, muitas vezes, considerados caricatos pelos modos dominantes. A lógica profunda que leva a trocar maior prosperidade económica por mais tempo disponível é uma coerência intrínseca de defesa e valorização da vida. Só por isso deverá ser tida na devida conta.

Como penso que o Mauna da nossa história conseguiu demonstrar, deveremos distinguir claramente entre desejos e necessidades, entre o fundamental e o acessório e fazer as escolhas correctas. Até porque, como dizia S. Francisco de Assis, não é o homem que possui os objectos, mas sim os objectos que possuem o homem.


.

Publicado in “Rostos on line” – http://rostos.pt








Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Carlos Alberto Correia às 22:52

O Alentejo

Domingo, 24.02.08
Posted by Picasa
Este texto, de autor desconhecido, foi-me enviado pelo meu amigo Jorge Matos. Com a devida vénia ao seu autor, aproveito para o inserir neste blogue.
Palavra mágica que começa no Além e termina no Tejo, o rio da portugalidade. O rio que divide e une Portugal e que à semelhança do Homem Português, fugiu de Espanha à procura do mar.
**O Alentejo molda o carácter de um homem. A solidão e a quietude da planície dão-lhe a espiritualidade, a tranquilidade e a paciência do monge; as amplitudes térmicas e a agressividade da charneca dão-lhe a resistência física, a rusticidade, a coragem e o temperamento do guerreiro. Não é alentejano quem quer. Ser alentejano não é um dote, é um dom. Não se nasce alentejano, é-se alentejano.
**Portugal nasceu no Norte mas foi no Alentejo que se fez Homem. Guimarães é o berço da Nacionalidade, Évora é o berço do Império Português. Não foi por acaso que D. João II se teve de refugiar em Évora para descobrir a Índia. No meio das montanhas e das serras um homem tem as vistas curtas; só no coração do Alentejo, um homem consegue ver ao longe.
**Mas foi preciso Bartolomeu Dias regressar ao reino depois de dobrar o Cabo das Tormentas, sem conseguir chegar à Índia para D. João II perceber que só o costado de um alentejano conseguia suportar com o peso de um empreendimento daquele vulto. Aquilo que para o homem comum fica muito longe, para um alentejano fica já ali. Para um alentejano não há longe, nem distância porque só um alentejano percebe intuitivamente que a vida não é uma corrida de velocidade, mas uma corrida de resistência onde a tartaruga leva sempre a melhor sobre a lebre.
**Foi, por esta razão, que D. Manuel decidiu entregar a chefia da armada decisiva a Vasco da Gama. Mais de dois anos no mar... E, quando regressou, ao perguntar-lhe se a Índia era longe, Vasco da Gama respondeu: «Não, é já ali.». O fim do mundo, afinal, ficava ao virar da esquina.
**Para um alentejano, o caminho faz-se caminhando e só é longe o sítio onde não se chega sem parar de andar. E Vasco da Gama limitou-se a continuar a andar onde Bartolomeu Dias tinha parado. O problema de Portugal é precisamente este: muitos Bartolomeu Dias e poucos Vasco da Gama. Demasiada gente que não consegue terminar o que começa, que desiste quando a glória está perto e o mais difícil já foi feito. Ou seja, muitos portugueses e poucos alentejanos.
**D. Nuno Álvares Pereira, aliás, já tinha percebido isso. Caso contrário, não teria partido tão confiante para Aljubarrota. D. Nuno sabia bem que uma batalha não se decide pela quantidade mas pela qualidade dos combatentes. É certo que o Rei de Castela contava com um poderoso exército composto por espanhóis e portugueses, mas o Mestre de Avis tinha a vantagem de contar com meia-dúzia de alentejanos. Não se estranha, assim, a resposta de D. Nuno aos seus irmãos, quando o tentaram convencer a mudar de campo com o argumento da desproporção numérica: «Vocês são muitos? O que é que isso interessa se os alentejanos estão do nosso lado?»
**Mas os alentejanos não servem só as grandes causas, nem servem só para as grandes guerras. Não há como um alentejano para desfrutar plenamente dos mais simples prazeres da vida. Por isso, se diz que Deus fez a mulher para ser a companheira do homem. Mas, depois, teve de fazer os alentejanos para que as mulheres também tivessem algum prazer. Na cama e na mesa, um alentejano nunca tem pressa. Daí a resposta de Eva a Adão quando este, intrigado, lhe perguntou o que é que o alentejano tinha que ele não tinha:«Tem tempo e tu tens pressa.» Quem anda sempre a correr, não chega a lado nenhum. E muito menos ao coração de uma mulher. Andar a correr é um problema que os alentejanos, graças a Deus, não têm. Até porque os alentejanos e o Alentejo foram feitos ao sétimo dia, precisamente o dia que Deus tirou para descansar.
**E até nas anedotas, os alentejanos revelam a sua superioridade humana e intelectual. Os brancos contam anedotas dos pretos, os brasileiros dos portugueses, os franceses dos argelinos... só os alentejanos contam e inventam anedotas sobre si próprios. E divertem-se imenso, ao mesmo tempo que servem de espelho a quem as ouve.
**Mas para que uma pessoa se ria de si própria não basta ser ridícula porque ridículos todos somos. É necessário ter sentido de humor. Só que isso é um extra só disponível nos seres humanos topo de gama.
**Não se confunda, no entanto, sentido de humor com alarvice. O sentido de humor é um dom da inteligência; a alarvice é o tique da gente bronca e mesquinha. Enquanto o alarve se diverte com as desgraças alheias, quem tem sentido de humor ri-se de si próprio. Não há maior honra do que ser objecto de uma boa gargalhada. O sentido de humor humaniza as pessoas, enquanto a alarvice diminui-as. Se Hitler e Estaline se rissem de si próprios, nunca teriam sido as bestas que foram.
**E as anedotas alentejanas são autênticas pérolas de humor: curtas, incisivas, inteligentes e desconcertantes, revelando um sentido de observação, um sentido crítico e um poder de síntese notáveis. **Não resisto a contar a minha anedota preferida. Num dia em que chovia muito, o revisor do comboio entrou numa carruagem onde só havia um passageiro. Por sinal, um alentejano que estava todo molhado, em virtude de estar sentado num lugar junto a uma janela aberta. «Ó amigo, por que é que não fecha a janela?», perguntou-lhe o revisor.
* *«Isso queria eu, mas a janela está estragada.», respondeu o alentejano.«Então por que é que não troca de lugar?» «Eu trocar, trocava... mas com quem?»
**Como bom alentejano que me prezo de ser, deixei o melhor para o fim. O Alentejo, como todos sabemos, é o único sítio do mundo onde não é castigouma pessoa ficar a pão e água. Água é aquilo por que qualquer alentejano anseia.E o pão... Mas há melhor iguaria do que o pão alentejano? O pão alentejano come-se com tudo e com nada. É aperitivo, refeição e sobremesa. E é o único pão do mundo que não tem pressa de ser comido. É tão bom no primeiro dia como no dia seguinte ou no fim da semana. Só quem come o pão alentejano está habilitado para entender o mistério da fé. Comê-lo faz-nos subir ao Céu!
**É por tudo isto que, sempre que passeio pela charneca numa noite quente de verão ou sinto no rosto o frio cortante das manhãs de Inverno, dou graças a Deus por ser alentejano. Que maior bênção poderia um homem almejar? *

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Carlos Alberto Correia às 16:11

Memórias - 2 - Carta à Marquesa

Quarta-feira, 20.02.08
Posted by Picasa
Em fins dos anos sessenta, princípios de setenta, havia, no saudoso Diário de Lisboa, um suplemento chamado Mosca, dirigido pelo Stau Monteiro. A carta que abaixo transcrevo, foi escrita para esse suplemento, mas, por obra e graça da censura, não chegou a ser publicada. Esclarecendo a situação. Havia ao tempo, nos salões de uma marquesa de que já não me recordo o nome, nem o título, um cenáculo de poesia onde pontificava um poetastro de seu nome Cravina. Seria o que de mais conservador se encontraria na nossa sociedade, arvorando-se, no entanto, no Parnaso da poesia portuguesa. Era a chacota de quantos pretendiam que a poesia fosse mais que um poeirento molde de sentimentalidades desfasadas e que apenas servia para encobrir a luta, que em todos os meios, se fortalecia contra a ditadura. A resposta que eu tentei dar e não consegui é a que agora se apresenta. Mais feliz foi Ary dos Santos que, fazendo-se convidado para um serão, os mimoseou, para grande escândalo, com o seu poema S.A.R.L..



CENHOURA MARQUESA

despois de muito pençar arresolvime a escreverlhe esta é que li nu jurnal ca ecelentissima marquesa tinha um çunaculo de poisia onde cum cenhor que se cha­ma caravina deziam versinhos a modos que damor cumo acontesse eu gustar muitissemo de dezer déçemas cria pudir à ecelentissima marquesa auturisassão para botar uma das minhas nam sei sa cenhoura sabe queucá nam tenho muita instrussão andei até a turçêra classe purque despois tive quir trabalhar nu campo do fêtor da urtariça pur cu mê pai dezia quem nam trabuca nam manduca i o cenhour pirior um santo ome que deus u tenha em sê mrecido descanço tambem dezia cu rêno dos ceus era dos pobrezinhos i cuando era de verão i eu andava nas açêfas davame cá uma pena ver u santo ome a çuar coumu uma besta aperdoe voça ecelencia este mo­do de mal acomparar caté a alma se marrepelava i ele que tão amigo era dos po­bres caté me dezia sempre à joao quem me dera ter a tua vida i eu ficava satisfeto pur nam ter que massentar no terrasso dupaçal á ora da sesta a ler o bruviario i dezia ele ainda cagente nam devia dar óvidos aos maldezentes que deziam cagente sermos todos iguais i que quem nascia chaparro nunca daria laranjas i que deviamos de arrespeitar as marquesas e os çunáculos de dezer decemas e sunetos damor e nam deviamos de gustar daquelas poisias que se fazem a dezer que os omes teem fome que teem os mesmos deretos i que cantam baladas i dizem ca instrução deve ser pra toudos ainda bem que á marquesas que sabem o que os santos piriores ensinam i fazem çunáculos i vendo bem as coisas é melhor eu nam dezer os meus versos purque secalhar a marquesa nam gustava i era capaz
de pençar queu estava a guzar i longe de mim guzar uma marquesa purque
cá inté nem ouve revulussao francesa e os fidalgos sao uma coisa muito bonita em que nam devemos mexer i assim acaba e sassina o seu qriado

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Carlos Alberto Correia às 14:47

tema da solidão IX

Segunda-feira, 18.02.08
Posted by Picasa

por vezes escrevo
como quem luta
outras
como quem disfruta
do modo
da conduta

o importante é agarrar
a frase o lento murmurar
por dentro da palavra

o importante é descobrir
o senso que oculta

porque conhecer é desconhecer inicialmente
o resto é a semente
com que se emprenha o futuro

às vezes a palavra tem um muro
onde se esconde deusa refractária

contra a palavra invisto
nesse tempo
a palavra é um silêncio
que se recusa
e contra mim atenta

outras vezes desliza
é fio de água
ribeiro a correr nos roseirais
onde os peixes passam
átomos originais

assim a palavra se revela
se obstina ou se rebela
criando esta tensão
que me percorre
no silêncio ou no grito
em que se morre

palavra cujo império é a palavra

edifício construído sobre o nada
que é o ar a sílaba modulada

assim entendo o meu campo
a minha lavra
como lavrador me angustio
se o tempo não convém
à sementeira

mas sempre no inverno
ao som do frio
no meio da solidão onde me ostento
ponho as minhas palavras
na fogueira

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Carlos Alberto Correia às 17:12

Matar o rei

Segunda-feira, 11.02.08
Posted by Picasa
Andava completamente enlevado nas minhas emocionadas relações com a República, quando, um pouco de todo o lado, charangas anunciam o centésimo aniversário da morte do rei Carlos. Foi um vê se te avias de notícias, artigos, pagelas, livros, homenagens, remoques e condenações. A República ficou perturbada, tornou-se enjoada e esquiva e o fulgor do nosso relacionamento viu-se seriamente ameaçado.

Não gostei nem um bocadinho que viessem, deste modo, perturbar o meu embevecimento.

Então eu que sou, como o outro embora diferentemente, socialista, republicano e laico ia deixar-me lesar pelos anseios cediços de uns não sei quantos saudosos do fausto cortesão, pondo em causa o meu bem quisto regime pelo preço de algumas acusações sobre um possível pecado original e sangrento na sua fundação?

Para meu escarmento socorri-me do meu amigo Belegário, alter-ego necessário em dificultosos momentos, de modo a que, no espelho lúcido da sua dialéctica, reflectisse as resposta imprescindíveis ao meu esclarecimento e consequente paz de espírito.


- Sabes bem que sou contra a pena de morte. Não há local de reunião contra a nefanda onde eu não vá, não há abaixo-assinado que não assine, nem manifestação em que a minha voz não espraie a total indignação por tão abominável forma de (in)justiça…

- Já te conheço a conversa, atalhou. A seguir vais dizer-me que, por outro lado…

- Não sejas palerma e escuta-me. Esta questão da morte do Carlos de Bragança começa a agastar-me. Mesmo sendo contrário à pena de morte não consigo ficar indiferente à forma com estão a tratar o regicídio. Não pode ser olhado apenas como caso moral aquilo que é notoriamente derivado do foro político. Se os matadores foram criminosos, heróis ou qualquer outra coisa não deixa de ser importante, mas o que mais interessa é conhecer as razões que levaram a tais acontecimentos, bem como as suas consequências.

- Ora, está claro, afirmou o Belegário, quem mata é sem dúvida assassino. Quem mata o rei é ainda pior porque pretende, com essa morte, abater o Estado.

- E as circunstâncias dos acontecimentos, não valem nada? É ou não verdade que o Rei criou e apoiava a ditadura do João Franco? É ou não verdade que tinha assinado o decreto de deportação das chefias republicanas para Timor? E o que era isso senão condenar à morte, irrevogável e morosa, toda essa gente?

- Isso, meu amigo, seria um acto em potência. Poderia acontecer ou não. O regicídio foi uma calamidade verificada e gritante contra um rei legítimo, ainda por cima sábio.

- Não sou indiferente às qualidades humanas do rei. Reconheço-lhe o talento pictórico bem como a competência científica nas ciências marítimas. Mas uma coisa é o homem, outra bem diferente é o estadista e a sua política. Aquilo que os regicidas atacaram foi o estadista…

- Pois…pois, mas quem morreu e completamente foi o homem.

-É verdade que sim, mas não morreu sozinho. O Buiça e o Costa também morreram e ao contrário do rei sabiam que iriam morrer. Não podemos ser tão ligeiros a condenar e a julgar aqueles que por razões poderosas cometem actos que transcendem o comummente aceite. Alguém que põe em jogo a sua vida para atingir os seus ideais pode estar errado, mas merece que os seus actos e juízos sejam analisados à luz dos contextos que os emolduram.

Foi aqui que o Belegário perdeu o pio. Por muito que o não queira lembrar sabe que os regicidas não poderiam ignorar que dificilmente sobreviveriam ao atentado. Saldariam a conta da morte do rei com as suas mortes. Era troca por troca, pagando o preço máximo. Não regatearam os custos O heroísmo e a execração convivem paredes meias.

A simpatia que a pessoa de Carlos de Bragança poderia suscitar foi ultrapassada pelo peso dos actos políticos e económicos lesivos do País e das ideologias igualitárias e progressistas que campeavam pelo mundo. À luz da conjuntura e dos seus actos é natural que a sua pessoa fosse vista como um obstáculo ao avanço das mudanças, que se sabiam necessárias, para a continuidade do percurso histórico do País. Como obstáculo que era, teria de ser removido.

Pessoalmente estou convencido que mesmo sem o atentado o advento da República era apenas uma questão de tempo. Desde o principio que o reinado de D. Carlos foi ferido, pelos seus amigos ingleses, com o Ultimato. A monarquia, por débil, não conseguiu evitar a humilhação sentida pelos portugueses. A coroa decrépita, mais caduca ainda se tornou. Não passava do fantasma envilecido de si mesma. Já não representava as forças vivas da economia e do pensamento. No entanto, as suas rendas, mesmo rasgadas e amarelecidas, ainda chocavam com a plena misérias das classes populares e com o poder emergente, denegado pela aristocracia, das classes burguesas. Como resultado as sociedades secretas proliferaram e introduziram-se nos interstício do poder, minando-o e destroçando-o aos poucos.

Por tudo isto, se a morte de um homem me choca pelo que tem de definitivo, recuso-me a condenar os executores e a engrandecer a vítima, esquecendo os seus papéis como agentes históricos. Muito menos quero fazer coro com esses passadistas impenitentes que gostariam de voltar atrás no tempo para restabelecer a monarquia. Tal veleidade resulta, para mim, impensável. Não concebo que alguém julgue que, por circunstâncias de nascimento, adquire mais direitos do que qualquer outra pessoa assim sendo até aos fins dos séculos, transitando tais direitos de geração em geração e mantendo-se, como gostam de dizer, “cada macaco no seu galho”. Que se pendurem pelos braços na árvore da evolução e lá se deixem ficar, quedos e velhos, é escolha que lhes cabe e fiquem muito felizes com ela. Mas não queiram ressuscitar o que a História sepultou. Os que pensam como eu, continuarão a lutar por um mundo de iguais em direitos, em que a única diferença provenha da natural distinção entre uma individualidade e outra, sem que isso produza cartilha de privilégios desiguais.

Acabe assim para sempre o domínio dos braganças e quejandos. Ponto final, assunto encerrado.

-Encerrado o tanas! Replicou o Belegário. Nada na sociedade está terminado para sempre. As coisas vão e vem. Se não como réplicas completas, sempre como actualizações. Quer tu queiras quer não queiras, por esclarecimento, reacção ou por nada disto, há pessoas que porão em causa o regime em que vivemos e quererão voltar à antiga monarquia. E têm o seu direito... mas o que agora me interessa é saber se o caso fosse contigo matavas o rei ou não?

Pesei os prós e os contras. Pus na balança as razões e os princípios. Desejando intrinsecamente a instauração da República, ansiando a mudança, odiando a ideologia dos aristocratas, posso dizer-te que de modo algum mataria o rei. Preferia que a República sofresse atrasos mas que viesse pelo seu pé. Esta é a minha escolha pessoal, não obriga ninguém a partilhá-la, mas também não permite que sob ela se acuse gratuitamente quem tomou a difícil decisão de, matando-se, matar o rei.


Publicado in “Rostos on line” – http://rostos.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Carlos Alberto Correia às 19:07

tema da solidão VIII

Sábado, 09.02.08
Posted by Picasa

resumo o movimento
um dedo um passo um contratempo
o rio o sono a aventura
um tempo
solitário e abismado

um plano longo aborrecido
onde a ternura
resiste em eflúvios perfumados
nas rosas do jardim
dos teus sentidos

por dentro da escrita
sabe-se o poema
unidade dispersa iluminada
pela mágica cadência de fonemas
que fora dela
não querem dizer nada

construo o movimento

o universo é inventado
um pouco
nos meus versos
e deles faço sangue
ou lume ou ferida

mas caio desta certeza
e o poema
por mais belo que seja
não compensa
um só minuto vivo
nesta vida

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Carlos Alberto Correia às 14:50

Memórias 1 - À espera de Godot

Terça-feira, 05.02.08
Posted by Picasa
(Publicado em "Democracia do Sul" 1969)


Fui ao teatro ver "À espera de Godot". Da peça e nesta nota não farei nenhuma crítica. Apenas quero dizer do texto que nos fere e intranquiliza. Do grito que nos atinge. Do absurdo que nos assalta.

- Vamos embora
- Não podemos
- Porquê?
- Estamos à espera de Godot.

Ninguém sabe quem é Godot. Só se sabe que se espera e ele nunca é nesse dia que vem. Os homens desesperam e alguns –aparentemente - deixam de esperá-lo. É fácil pensar que se deixou de esperar por Godot.
Quando isso acontece, a vida e dum cinzento morno, dum manso desespero. Não há lugar para a revolta, porque não há nada ou ninguém contra quem nos re­voltemos.

Saí entre os últimos espectadores. A rua estava quase deserta. O último táxi desertava na curva lá adiante.

No largo Trindade Coelho, sentado nos degraus do edifício da Santa Casa da Misericórdia, estava um homem. Alto, barba ruça por fazer, gabardina branca, suja, esfiapada. Ao seu lado um saco grande, de plástico, inchado de trapos velhos. Uma lata de lixo esventrada, ainda há pouco, parecia rir-se do homem, que nas mãos tinha um trapo, promovido a lenço.

Vê-lo, era pensar nas noites de calcorrear as ruas, destapando caixotes, recolhendo detritos. Talvez, arrogando-se um velho direito, os gatos lhe chamassem intruso, ou lhe agradecessem o destapar das latas onde, em conjunto, procuravam a vida.

Ele estava sentado nos degraus. Talvez cansado, talvez conformado, tal­vez…

A porta bateu violentamente e a imagem do velho deixou-me. Um corpo ro­lou na rua. Zaragata de bar. A porta escancarou-se para passar mais gente. Comentários.

- Olha o que o bruto fez ao rapaz.
- Bruto é o seu pai e casou-se.
- Oiça lá amigo

E mais, mais opiniões divididas.

O rapaz levantou-se. Chorava. As lágrimas misturavam-se com o sangue. Dois amigos amparavam-no.

Um pouco mais abaixo o agressor justificava-se:
-Vocês bem viram que ele me provocou. Eu até evitei bastante. Mas chamar isso a um homem casado, não está certo.

À sua volta assentia-se com movimentos de cabeça.

- Tem razão, sim senhor. Estes franganotes metidos a vivaços…
- Mas você deu-lhe com força …
- É verdade. Quando perco a cabeça a sou assim…
- Uma vez, vinha eu do Intendente…

Todos tinham uma história semelhante a contar. Todos eram valentes. Todos bateram, ninguém levou.

Ao descer a Calçada da Gloria misturavam-se em mim as personagens da noite.

O velho ia ao encontro do escuro remexendo caixotes. Intumescia a cara do rapaz. Gabava-se modestamente o agressor. Todos eram culpados e inocentes. Todos eram ricos e miseráveis. Todos eram agressores e agredidos. Todos afinal estavam, sem saber, à espera de Godot.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Carlos Alberto Correia às 13:30








comentários recentes




subscrever feeds