Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



tema da solidão III

Quinta-feira, 29.11.07



Posted by Picasa









para além de toda a dor
nós persistimos
em tudo quanto é fogo
acordados nos sonhos das cascatas


a sombra dum cabelo
na encosta
aponta-me esta água
descida corpo opalescente
trídulo cantar de uma avena
quente



como uma lágrima de olhos
por dentro deste corpo meu
desliza


que triste é a tristeza que me cerca
quando longe das mãos eu já não toco
a longa superfície onde deslizas
como forma poderosa e pequenina

no céu brilham as galáxias inocentes
por dentro dos teus olhos de menina

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Carlos Alberto Correia às 12:26

Onde há carne sempre voam abutres

Quarta-feira, 28.11.07
Posted by Picasa

Conheci o Alexandre nos anos cinquenta. Vizinhos de tenda num acampamento internacional era um dos poucos que se relacionava com ele. De anos, tínhamos os mesmos, mas ele era muito mais velho do que eu.

O Alexandre era casapiano. Ainda antes dele e dos seus colegas chegarem ao local do acampamento, já corriam rumores de que os casapianos iam chegar. Acompanhava o sururu uma nota de precaução no sentido de não se lhes dar confiança porque os putos da Casa Pia eram arruaceiros, ladrões e mariconços.

Isto sem mais nem menos há quase cinquenta anos.

Portanto podemos concluir que os casos Casa Pia não são unicamente os de data recente mas já se perdem no fumo das histórias contemporâneas.

Escrevo isto como forma de justificação dos acontecimentos mais recentes ou para justificar os procedimentos de quantos estão acusados de pedofilia e abusos sexuais a menores?

Nem pouco mais ou menos.

A minha intenção é tão-somente não me deixar embarcar nas indignações fáceis, igual aquelas que o bom povo ululante faz às portas dos tribunais para se sentir superior a quem de alguns crimes vai acusado, mas de tentar situar os dados do problema para que, compreendido, melhor possa ser atacado e ultrapassado.


Comecemos pela pedofilia. Correndo o risco de chocar muita gente bem pensante sou obrigado a reconhecer que esta prática não é, na sua substância, um crime. É crime nas sociedades onde a instituição jurídica ou os preceitos morais assim o considera. Por mais chocantes que algumas práticas possam ser para um dado povo ou cultura, pode a mesma ser considerada inócua, ou mesmo virtuosa, numa outra talvez não muito distante na geografia ou na história.


Concretizemos. Aquilo a que chamamos pedofilia é entendido em algumas culturas como protecção de menores. Assim, em certas etnias na Índia era costume (ou ainda é) casar as raparigas em tenra idade, com homens mais velhos que, em caso de desaparecimento dos pais lhe garantiam a protecção necessária numa sociedade onde uma rapariga sozinha não poderia sobreviver. Na Melanésia, em muitas tribos, a iniciação sexual faz-se em crianças muito novas (de ambos os sexos) por um familiar próximo. Seja-me perdoado a generalidade destas informações mas, como apenas as utilizo como ilustrações, seria fastidioso enumerar minuciosamente essas etnias, costumes e regiões.

Por outro lado, temos a grande norma fundadora das sociedades que é a proibição do incesto. Com efeito, um dado homem ao privar-se da posse sexual de uma mulher da sua família, entregando-a a outro, funda uma aliança que é a base das relações familiares, económicas e societais. Presume-se que a horda se torna grupo com a instituição desta regra. No entanto, a regra é criada para suprir falhas de “comportamento natural”. Mas, sendo as normas impostas, pelo exterior ao indivíduo, demoram anos a ser globalmente interiorizadas como “comportamento natural”. Até chegarem e esse estádio - e um pouco menos quando é atingido - necessitam de vigilância e sanções para os prevaricadores. Assim se cria o crime e o castigo.

Feita esta leve incursão por tropos antropológicos regressemos ao assunto.

Na civilização ocidental está profundamente assente a regra da proibição do incesto. Faz parte integrante daquilo que para nós é proceder “naturalmente”. Todo o agir a contrário nos choca e ofende. Reagimos a essa quebras com indignação e nojo. Mas se reagimos é porque, para lá de leis e proibições, o facto existe. É uma pulsão? É um desvio de personalidade? É a vontade de transgredir porque a falta é mais aliciante que o cumprimento?

É possivelmente um pouco de tudo isto.

Por isso vamos encontrar, transversal a toda a sociedade, com enorme incidência nos familiares próximos, comportamentos sexuais virados contra os menores calados por uma complexa rede de afectos, dependências e pesados silêncios.

Em que é que os acontecimentos da Casa Pia se destaca deste pano de fundo desagradável, mas existente? No facto de que estas crianças, entregues ao Estado, estarem mais desprotegidas e, durante muito tempo terem sido sujeitos de direito ténue e socialmente desvalorizadas. O chocante é que elas foram mais coisas que pessoas, mais objectos que sujeitos.

Um objecto é transaccionável, utilizável e descartável.

Assim aconteceu, tantos anos, aos deserdados da sorte que residem nas esmolas das instituições. Menos que cidadãos, por posição e idade, habitam um estatuto de menoridade social que permite, sem grandes escrúpulos ou perigos, o desabalado prazer de quantos aceitam estar acima das leis por poder, riqueza ou fama. Ah! É claro, também daqueles que, à sombra da protecção dos poderosos, lhe servem os seus banquetes proibidos, esperando protecção eficaz e eterna.

Mais ainda! Nem sempre as crianças são meros agentes passivos na situação. A falta de carinho, a impessoalidade institucional, a identidade fluída e as solicitações de uma sociedade do Ter, roçando pela sua impossibilidade económica, resultam num Ser difuso, desorientado, pronto para procurar e ceder perante deslumbramentos de consumo impossível, tornados realizáveis.

Por isso, todas as medidas de investigação, olhando para o passado, não vêem o presente. Nem vislumbram o futuro. Só a consideração de completude e identidade de cada ser humano é medida suficiente para obstar à continuidade de casos Casa Pia. Isto é trabalho árduo, para muitos anos, que não se limita apenas a justiça e acompanhamento, mas que tem a ver com a estrutura profunda da sociedade envolvente.

Não sei o que foi feito do Alexandre. Após a curta temporada que durou o acampamento voltámos, aos nossos espaços e ocupações, sem mais sabermos um do outro. Nunca me esquecerei porém que ao ouvi-lo contar as suas aventuras perdi a inocente visão de um mundo, senão paradisíaco, pelo menos certo e seguro. Ele trouxe-me o cinismo necessário à sobrevivência num meio selvático, do qual me sentia protegido e, se não me disse, pelo menos fez-me pensar que onde há carne sempre voam abutres.



Publicado in “Rostos on line” – http://rostos.pt





Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Carlos Alberto Correia às 00:13

tema da solidão II

Sábado, 17.11.07

Tela de Kira
Posted by Picasa
atenta à sua porta espera
a breve permanência duma vida
na fímbria da soleira desespera
a pálida manhã
interrompida

alabastro de fogo lhe chamaram
sabendo que ficar é por demais
os barcos descuidados encalharam
em plena madrugada

em terras de poente
estremunhada
constrói a solidão

os barcos
atenta à sua porta espera

os barcos não virão

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Carlos Alberto Correia às 23:59

“É a estatística, estúpido!”

Sexta-feira, 16.11.07







No início da década de 70 do passado século, Bourdieu e Passeron, sociólogos franceses, publicaram um livro, que veio a fazer doutrina, chamado La reproduction.

Nestes estudos os autores partiam da hipótese de que a escola, apesar de reclamar para si a capacidade de introduzir na sociedade factores de ascensão social, unicamente baseados no mérito individual, assentava hipocritamente na reprodução social, isto é, na transmissão, de pais para filhos, de posições equivalentes na estrutura societária.

O método utilizado foi o da observação do percurso escolar de um grupo de jovens entrado em determinado ano no sistema escolar. Assim, e sumariamente, os autores verificaram que uma grande percentagem de alunos abandonava a escola no fim da instrução primária, que os restantes avançavam para o ensino secundário e que só uma muito pequena parte seguia para estudos superiores.

Até aqui nada de novo, dirão os meus possíveis leitores, desiludidos com este arrazoado e possivelmente pensarão que estou a fazê-los perder o seu rico tempo afirmando o que é facilmente descortinável a qualquer um mesmo sem a mínima preparação sociológica.

O interessante é que os autores em referência decidiram dissecar os percursos escolares e profissionais dos pais dos componentes do grupo em análise.

Surpresa das surpresas, ou talvez não, verificaram que aqueles que abandonavam o ensino no final da instrução primária eram filhos de famílias operárias e onde a instrução primária era a dominante; já os que seguiam para o secundário tinham como pais pequenos comerciantes, funcionários públicos, encarregados oficinais e por aí adiante; os poucos que chegavam ao ensino superior eram, “inesperadamente!!!”, filhos de licenciados e das classes dominantes na sociedade.

Deste modo, os nossos autores desmontaram o discurso hipócrita da democracia e do mérito e mostraram que a escola era, como tantos afirmaram antes e depois, um instrumento ideológico visando a manutenção da estratificação social existente, alterando apenas o suficiente para que tudo se mantivesse igual.

Por alturas deste estudo, ainda em Portugal, o ensino não era massificado. As divisões sociais eram demasiado marcadas e evidentes através de extenso número de analfabetos e da cisão do secundário em estudos práticos – escolas comerciais e industriais - para os filhos das classes menos classificadas, liceus para a classe dos futuros funcionários e universidades para a esmagadora minoria dos possidentes ou equiparados. A inquietação pelo ocultamento do fenómeno da reprodução social viria apenas com o 25 de Abril e as sucessivas reviravoltas dos diferentes projectos sociais.

No entanto não devemos esquecer a preocupação de Salazar, tentando igualar-nos às nações europeias em número de alfabetizados, ao “conceder no mínimo a terceira classe” à maioria dos cidadãos nacionais. Seria ideia louvável se se traduzisse no efectivo apoderamento de conhecimentos por parte dos atingidos mas, como foi patente, apesar da camuflagem, tratava-se apenas de uma operação cosmética, visando uma movimentação quantitativa e meramente estatística. Depois da campanha nem os portugueses liam e escreviam melhor, nem tinham adquiridos novos conhecimentos ou hábitos, mas as comparações numéricas em sede internacional demonstraram o grande salto em frente do nosso país na valorização das aprendizagens e na aproximação ao nível de escolaridade das populações europeias.

O actual Governo, mormente através da sua ministra da educação, apresentou-se com um discurso de valorização do ensino, fautor de modificação e aumento de competências, de incremento do mérito, do esforço e do interesse.

Discurso interessante, prática decepcionante.

Não vale a pena insistir muito mais sobre o relacionamento instaurado pelo Ministério da Educação em relação aos “seus professores”. Onde se queria valoração apareceu humilhação; onde era de esperar reforço de poderes disciplinares e tempo para a aplicação de pedagogias ajustadas e reconhecimento de métodos, estatuiu-se burocracia; em vez de apoio aos melhores profissionais orientaram-se as mentes para processos administrativos e do parece ser…

Enfim, continuamos com mais do mesmo.

Um professor tem necessidade absoluta de se dedicar, no seu tempo de trabalho, por inteiro, aos seus alunos. Seja por atenção directa em sala de aula; seja por tempo dedicado a actualização e pesquisa; seja por correcção e acompanhamento de trabalhos ou por abertura de diálogo com os encarregados de educação, de molde a que o ensino não se torne um abstracto descarregar de conceitos estranhos à vida e que a maior parte, por não se aperceber para que servem, somente atura e quase sempre rejeita.

Colocar o professor trinta e cinco horas semanalmente na escola poderia ser uma boa decisão se lá houvesse estruturas tais como gabinetes, bibliotecas actualizadas e outros meios de trabalho em quantidade e qualidade suficiente para que o professor, terminado o tempo lectivo, pudesse então preparar aulas, corrigir testes, acompanhar alunos, atender pais. No entanto, como sabemos, não é isto que acontece e os professores, de castigo por qualquer indizível culpa, permanecem nas suas escolas, ocupando o seu tempo em miríades funções, algumas desviadas do papel docente, e terão de ir para casa - roubados do merecido descanso e do apoio à sua família - passar horas e fins-de-semana, a tratar de actividades exclusivamente dedicadas aos vários actos a que bem ensinar obriga, sem remuneração por este trabalho extra e nem sequer reconhecimento dos órgãos ministeriais.

Para tornar ainda o discurso ministerial , sobre mérito, mais absurdo e distanciado do mundo real, aparece agora a peregrina ideia de retirar às escolas a possibilidade de reprovar por faltas os alunos, tão desinteressados do acto de aprender, que nem sequer o esforço mínimo requerível – estar presente na aula – estão dispostos a despender. Para eles, será, provavelmente quando lhes apetecer, feito um especial exame de recuperação!

A minha alma pasma!

Exame de recuperação de quê? Se o aluno não está interessado, se por faltar frequentemente às aulas não pode captar os conhecimentos que lá são transmitidos, o que e onde pode ele recuperar? Espera-se talvez que por um acto mágico, repentinamente, o trânsfuga tenha um sopro de iluminação e debite o que não sabe nem nunca se esforçou por aprender?

Ou será outra coisa pior?

Então se todos tiverem oportunidade de atingir o décimo segundo ano, mas se esse grau de ensino for, subtilmente, desvalorizado nuns alunos e valorizado, por efectividade de saberes ou prosseguimento de estudos noutros, não estaremos a acentuar uma distinção social que virá facilitar a continuidade de reprodução da estratificação existente?

É evidente que não. Tal enormidade não poderá deixar de ser um acto perverso do meu modo de encarar as claras e eficientes medidas da Ministra da Educação, a qual, por opção ideológica, está obrigatoriamente imersa num pensamento socialista de inclusão igualitária por mérito próprio e nunca, por nunca ser, tenderá a perpetuar diferenças pelo acaso de uma mais elevada capacidade socioeconómica mantendo, ao mesmo tempo, o favorável evoluir das estatísticas de literacia nacional.

A propósito parece-me que nos melhores colégios particulares esta disposição sobre faltas não irá ser acolhida e que os mesmos continuarão, apesar da perda de propinas, a expulsar os alunos desinteressados e faltosos.

Que estranhas razões enformarão este tão grande altruísmo?



Publicado in “Rostos on line” – http://rostos.pt

Posted by Picasa

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Carlos Alberto Correia às 23:57








comentários recentes




subscrever feeds